“Na antevéspera do final do ano, temos a sensação de estarmos chegando a uma grande final. É difícil escapar desta sensação, ao presenciarmos as grandes promoções das redes de televisão, ao escutarmos os programas dos “reveillons” espetaculares, ao sermos deslumbrados pelos sensacionais espetáculos pirotécnicos mundo afora, ao vermos as ofertas de pacotes mirabolantes de viagens para quem nada em dinheiro.

Na realidade, nosso dia a dia é diferente. Chegamos ao final de mais um ano, quem sabe com muitas lutas, muito suor, muitas alegrias e também muitos sofrimentos. O que devemos fazer é nos perguntar, como cristãos, que atitudes realistas deveremos assumir num momento assim de mais um final de ano.

Uma primeira atitude, deveria ser de adoração, de profunda adoração diante do presépio, contemplando o exemplo admirável e nunca suficientemente compreendido do mistério da encarnação, do Deus que se fez criança, nascendo no coxo de uma estrebaria, à margem dos feitos retumbantes da história, no silêncio da noite. “E o verbo se fez carne e armou sua tenda entre nós”, nos diz exatamente a liturgia do NATAL!

Uma segunda atitude deveria ser um grito trasbordante de ação de graças por essa solidariedade de nosso Deus que se igualou a nós, para nos elevar em nossa dignidade humana de filhos de Deus e irmãos de todos.

Ação de graças! Eis a atitude fundamental dos cristãos das comunidades na passagem de mais um ano. Vamos nos reunir em nossas comunidades e agradecer o ano que passou. Depois até podemos nos divertir. Por que não?! Mas antes, não esquecer de dizer: Muito obrigado, meu bom Deus, pelo ano que passou, pela vida que nos conservaste, pelo carinho de tua graça que sempre nos acompanhou!

Bendito seja Deus na graça incomensurável que ele nos deu de nos visitar mais uma vez em seu amado Filho!

Bendita seja a grande Mãe de Deus, Santa Maria de Nazaré, que aceitou receber em seu seio esta graça que veio acampar entre nós!

Feliz ano novo para os homens e mulheres amados de Deus!”

Anúncios