O ESPÍRITO RECRIA…

UMA REFLEXÃO SOBRE O EVANGELHO DO DOMINGO DE PENTECOSTES – dia 04/06 – Jo 20,19-23

Para o evangelista João, a vinda do Espírito Santo aconteceu desde o dia da Ressurreição. Aliás, este dia é apresentado como um dia que nunca termina, é um novo tempo que se inicia, tempo de vitória da vida sobre a morte. Tempo em que os seguidores/as de Jesus são animados pelo Espírito e realizam, com a alegria da presença de Jesus, a sua missão.

  1. Era o primeiro dia da semana. Ao anoitecer desse dia, estando fechadas as portas do lugar onde se encontravam os discípulos por medo das autoridades dos judeus, Jesus entrou. Ficou no meio deles e disse: ‘A paz esteja com vocês’. Dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos ficaram alegres por ver o Senhor”.

As comunidades cristas, naquela época, reuniam costumeiramente no final da tarde do domingo. Reunidos em comunidade, os fiéis sentiam a presença do Ressuscitado, no meio deles, afinal, escutavam sua Palavra e celebravam o mistério da vitória de Jesus sobre a morte… As portas fechadas denotam que, sem a presença de Jesus, os apóstolos tinham medo daqueles que condenaram Jesus e rejeitaram seu reinado. Hoje também, “sem a presença de Jesus ressuscitado e sem a força do seu Espírito as comunidades se fecham atrás das paredes, impossibilitando a vitória da vida sobre a morte” (Bortolini. Como Ler o Evangelho de João, p. 194). Jesus atravessa as paredes e vence as barreiras…

Sua presença nos dá a paz e alegria. Quanto mais sentirmos a presença de Jesus, e quanto mais viva nossa fé, mais alegria teremos, apesar das contrariedades do sistema de morte que destrói os direitos e a vida do povo. Ao mostrar as mãos e o lado do peito furado pela lança, os apóstolos e nós sentimos nisso os sinais da vitória da vida sobre a morte. Quantos sinais de vida ainda atualmente no meio dos verdadeiros seguidores/as de Jesus! Para enxergar, basta não ter os olhos cegos pelo medo ou pela escolha de caminhos anti-reino…

  1. “Jesus disse: ‘Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês’. Tendo falado isso, Jesus soprou sobre eles, dizendo: ‘Recebam o Espírito Santo. Os pecados daqueles que voc6es perdoarem, serão perdoados. Os pecados daqueles que voc6es não perdoarem, não serão perdoados’”.

O mesmo Espírito que animou Jesus na sua missão, nós recebemos para nos animar e impulsionar em nossa missão, que é a mesma de Jesus. Como Jesus é o enviado do Pai, nós somos seus enviados também. Ninguém é cristão/ã pra bonito ou pra número…Temos a graça de conhecer a Deus e de ser consagrados a Ele pelo batismo, para exercermos uma missão. Somos escolhidos, chamados, enviados…Missão é, em primeiro lugar, levar adiante o projeto de vida do Reino. Cabe à nós, igreja, a missão que jesus iniciou e realizou, atualizá-la sempre no contexto de agora, em meio às contradições e adversidades dos forças do mal e do anti-reino. O sopro de Jesus lembra o sopro de vida que Adão (a humanidade primitiva) recebeu. Este gesto de Jesus significa que temos o sopro de vida do Espírito Santo. Ele nos recria, faz de nós uma nova humanidade, para com sua força levar adiante o projeto de Deus.

Faz parte desse projeto e desta nossa missão perdoar e não perdoar, como diz Jesus no Evangelho. Perdoar e não perdoar os pecados, como esclarece a reflexão de José Bortolini: “Para o evangelista João, pecado é dar adesão à ordem injusta que levou Jesus à morte e continua eliminando vidas. Em outras palavras, tarefa da comunidade é mostrar, pela palavra e pela ação, que quem se fechou ao projeto de Deus permanece em seu pecado. A nova criação, portanto, é a luta pela justiça, permitindo que todos tenham acesso à vida” (idem. P. 195).

Que este dia de Pentecostes reavive em nós a presença do Espírito Santo para nos fortalecer na missão! Está na hora de sairmos do medo, da acomodação, da passividade, do conformismo… Quem aceita o Espírito e se abre à sua ação, mexe-se ao dinamismo e se anima para ações, para a vida em comunidade, para o voluntariado, para as lutas pela vida. Parar e contentr-se com alguma celebração e alguns momentos de oração, sem ação e sem vivência de amor e de justiça é tentar abafar e apagar o fogo do Espírito Santo em nós!…

 

 

Anúncios